Relatórios Besteirológicos

Relatório Besteirológico – O Oceano de Emily

10 de Setembro | 2019 Escrito por Dra. Brisa

No primeiro encontro, ao entrar em seu quarto no setor de internação, no corredor dos cuidados paliativos, ela dormia e por isso fomos bem sutis. De mansinho fomos conhecendo um por um, perguntando nome, parentesco, comida, cores, cantores preferidos e hobby’s.

Além de nós besteirologistas, estavam ela, sua mãe, duas tias e três primas. Entre risos e bastante simpatia, descobri que, como eu, elas também eram de Minas Gerais! Aí que o assunto rendeu mesmo! Pão de queijo pra lá, doce de leite pra cá. Ela acabou acordando com as gargalhadas e sabores. A festa já estava armada quando ela abriu os olhos e mais que depressa, ukulele em prontidão, já puxei o “Parabéns pra você”, pois seu aniversário seria no dia seguinte! 16 anos! Dia que não estaríamos no hospital! De presente, cantei para ela a Ciranda do Anel, com a última estrofe da canção personalizada! Inseri na letra, a frase: “ Continue a nadar…” Era o que ela me disse ser seu lema de vida e também tatuagem da prima, em homenagem a ela!

No nosso segundo encontro, estavam somente ela e seu pai. Ela estava falante, contou um monte de coisas, algumas com nexo, outras não, perguntou tantas outras, fofocou um bocado, mas ainda meio sonolenta, meio sedada, prestes a ajustar o cateter, só cantei outra canção com referência aquática e mais uma vez, finalizei com o lema: “Continue a nadar!

O terceiro foi ontem! Ela, sedada, dormia profundo. Seu pai e sua mãe, sentados no sofá. Nos receberam, olhos atentos a ela, marejados, coração aberto para nós e apertado pelo que estava por vir. Todos já sabíamos! Puxei logo a nossa canção e finalizei: “Uma vez, chorei na praia, prum anel que se perdeu… Meu anel que virou concha, nunca mais apareceu! Tchibum chuá chuá, Tchibum chuá chuá, Tchibum chuá chuá, Tchibum tchibum… Continue a nadar! “
E ela foi…Ganhou a imensidão do oceano!
Continue a nadar, doce menina… Querida Emily!

Doações

O Hospital de Amor (atual nome do Hospital de Câncer de Barretos) recebe pacientes de todos os estados do Brasil, oferecendo atendimento 100% gratuito. A instituição conta com profissionais altamente qualificados e realiza um importante trabalho para aumentar os índices de cura e sobrevida. Porém, nada disso seria possível sem o apoio dos diversos segmentos da sociedade, como pessoas físicas e empresas.

Parceiros

Conheça os parceiros do Instituto.