Mídia

Você já ouviu falar em “Brincar Livre”?

“Brincar Livre”. Mas o que será que é isso, gente? Se você nunca ouviu esse termo e está pensando que significa deixar seu filho ou filha sozinho para brincar, fique calma(o), que vamos te contar o que é!

Desde pititicos, as crianças possuem uma enorme necessidade de explorar o mundo, conhecer e identificar o que está a sua volta. E para isso, ela busca experimentar, descobrir, pesquisar e procurar para, só assim, aprender tudo o que o universo em que está inserida significa.

E se você está se perguntando como é o jeito ideal de fazer isso, te dizemos que não existe uma fórmula ou receitinha para seguir. A criança precisa se sentir segura para aprender “livre”, tanto de si quanto no ambiente e junto de quem o acompanha. E as mamães e papais ou o adulto que estiver cuidando dela precisa oferecer as condições necessárias para que toda a brincadeira, experiência e aprendizado aconteça sem interferência direta.

Ou seja, não é necessário buscar inúmeras atividades ou ensinamentos para estimular o pequeno se eles não estão interessados em conhecer aquilo, apenas precisamos observá-los e escutá-los, sem interferir no que será feito e estando próximo para auxiliá-los e encorajá-los nas descobertas que estão fazendo sozinhos, mesmo que bem pequenininhas.

E sabe qual poderá ser o resultado de permitir que seu filho, filha, sobrinho ou irmãzinha brinque livre? Benefícios físico-motor e afetivo-emocional, com a criança passando a confiar em si e compreendendo que é capaz de realizar essas pequenas grandes descobertas.

O brincar livre é isso, deixar que a criança aponte o caminho para o desenvolvimento da sua confiança, criatividade, imaginação e aprendizado!

Fonte: Portal Lunetas (com texto de Mamusca)

Doações

O Hospital de Amor (atual nome do Hospital de Câncer de Barretos) recebe pacientes de todos os estados do Brasil, oferecendo atendimento 100% gratuito. A instituição conta com profissionais altamente qualificados e realiza um importante trabalho para aumentar os índices de cura e sobrevida. Porém, nada disso seria possível sem o apoio dos diversos segmentos da sociedade, como pessoas físicas e empresas.

Parceiros

Conheça os parceiros do Instituto.